Como registrar seu livro na Fundação Biblioteca Nacional (guia passo-a-passo)

Atualizado em 15 de abril de 2017
Para saber mais sobre o mercado literário, conheça o podcast Papo de Autor. Nele, escritores publicados compartilham experiências e dão dicas para quem está começando. Você também pode entrar no nosso grupo do Facebook.

 


1. Por que registrar?

Você levou meses criando, escrevendo, revisando, fazendo e refazendo seu livro, e ele finalmente está pronto! Sem dúvidas, você está morrendo de vontade de mostrar para todo mundo. Gritar por aí: “Terminei!!”, mandar para os amigos por e-mail, mandar para as editoras.
Mas espere! Não se esqueça de que existe muita gente mal intencionada por aí! Eu, que sou ilustradora, sei bem o que digo: muita gente pensa que desenho encontrado no Google não tem dono, e que podem copiar à vontade. Infelizmente, é mais difícil identificar e lutar pelos direitos autorais de um desenho que foi roubado, mas não vou entrar no mérito da questão. Texto, assim como desenho, também sofre com o uso indevido. E por mais que você envie seu livro só para pessoas em quem confia, pense bem: se elas gostarem, talvez mostrem para alguém. E, a essa altura, você já perdeu o controle de quem leu e quem não leu. Por via das dúvidas, o melhor a fazer é registrar a obra.
O registro não é caro, e a maior vantagem que ele oferece é a segurança. Caso aconteça um plágio, fica mais fácil de provar sua autoria e garantir seus direitos. Uma das coisas mais importantes será a data em que a obra foi registrada: teoricamente, o verdadeiro autor possui o registro mais antigo. Existem várias formas de realizar o registro, e o que eu vou explicar é como prefiro fazer com os meus. Este guia não serve para registro de músicas, pois este possui algumas exigências diferentes.

Continue Reading…

Machismo

O mundo é machista. Infelizmente, muitas mulheres foram criadas fracas e dependentes, e se submetem às pressões da sociedade. Muitas não podem trabalhar, ou trabalham recebendo salário inferior ao dos homens; sofrem assédio moral, sexual, e se sentem presas a maridos que, muitas vezes, não merecem seu carinho.

Quando eu era criança, não sabia que esses absurdos aconteciam. Minha família me criou protegida em um mundo inocente, onde todas as pessoas tinham direitos iguais. Só fui saber disso quando decidi entrar no mercado de trabalho. Mas nessa ocasião eu já era uma mulher crescida e forte, e o machismo já não podia mais me afetar.

Não que eu vá queimar sutiã em praça pública! Mas eu sei que lugar de mulher é… onde ela quiser. E assim sou eu, faço minhas próprias escolhas e trilho meu próprio caminho. Obrigada, família.